Guilherme Arantes lança novo álbum "Flores & Cores" durante live pela ONErpm | The Music Journal Brazil | MTV

Coberturas

Guilherme Arantes lança novo álbum “Flores & Cores” durante live pela ONErpm

By  | 

Guilherme Arantes, um dos mais cultuados compositores da Música Popular Brasileira, lançou seu novo álbum de estúdio Flores & Cores durante uma live no estúdio da ONErpm em São Paulo na última sexta-feira (19).

O novo trabalho é um resgate fidedigno da atmosfera pop que ele produziu nos anos 80, mas sem perder o foco no presente e no futuro em suas letras e sempre contemplando o profundo sentimento como resposta de um diálogo intrínseco entre o existencial e o emocional.

“É um disco muito feliz e um momento bastante importante da minha carreira. É um disco que traz sonoridades que há muito tempo eu não fazia”, afirmou.

Flores & Cores chega ao mercado com 12 canções inéditas onde a concepção nasceu da inspiração em resgatar a musicalidade da música pop que ele criou em algumas décadas passadas, sempre norteada pela emoção: “Eu comecei pegando musicas velhas, porque eu estava fazendo minha estoria. Fui olhar vários manuscritos de varias letras que escrevi com 16, 17 anos e eu chorei, porque estou em uma fase muito emotiva”, revelou. “Eu estou muito mais terno hoje. Então essas letras me fizeram me emocionar com o que eu pensava, com o que eu sentia, que foi quando comecei a escrever Meu Mundo e Nada Mais“, disse.

Música boa ou música ruim?

Em uma época em que a qualidade musical tornou-se pauta de discussão nos amantes da música, Guilherme Arantes afirma que isso é relativo: “Essa concepção de musica boa ou musica ruim.. quando comecei a carreira haviam várias baladas que os produtores falaram que eram ruins. E eu gravei três delas. Mas eram ruins pra quê? Naquela circunstância em que o cara tinha que ter um refrão para estourar na rádio. Mas não queria dizer que a música era ruim. Tem música para todo o tipo, isso é importante a gente lembrar, todos os tipos de circunstâncias. Tem coisas boas em todos os segmentos da música. Esse conceito de música boa é bastante elástico”, observa.

Na minha oportunidade de fazer uma pergunta ao artista, apresentei o seguinte questionamento: “Você tocou em um assunto bem profundo que é a emoção. Quando você gravou algumas das canções clássicas da MPB como Êxtase, Amanha e Baile de Mascaras, havia uma contextualidade muito profunda no que se refere ao sentimento. Hoje com as novas composições, qual paralelo você conseguiria traçar no sentido de como você estava emocionalmente ao compor aqueles clássicos e hoje com as novas músicas?”.

 

“Eu aprendi uma lição de vida, de simplicidade. Como as pessoas simples são puras e felizes”

 

 

Em resposta, Guilherme Arantes analisou que as novas canções são reflexo de sua vida nos dias de hoje: “A vida tem vários ciclos assim, um pulsar de ciclos e esse ciclo é virtuoso o que estou vivendo porque eu mudei para a Bahia fez bem para minha voz, voltei a cantar nos mesmos tons originais e por esse motivo amoroso que estou vivendo, meus filhos, nos temos uma coisa harmoniosa da família, dos filhos, todo mundo estar bem. a família está serena e isso da uma paz muito grande”, afirmou, para então introduzir a canção Jardim do Eden. Neste momento, o cantor ficou muito emocionado e não finalizou como queria, caindo em lágrimas: “Vocês desculpem por eu chorar gente, mas isso vocês não veem toda a hora”, disse com bom humor.

O talento musical das novas gerações

Guilherme Arantes também falou sobre as músicas que os jovens escutam atualmente e ele acredita que o apelo por canções que expressam mais os sentimentos começam a ficar mais evidentes nos trabalhos dos novos artistas: “Somos uma geração que teve vivências amorosas e a gente quer compartilhar com os jovens que estão carentes. Existe o jovem que está carente da delicadeza, da inocência, da pureza, da simplicidade. São palavras que estão aparecendo no meu repertório. As musicas todas tentam buscar esse dialogo com uma coisa primordial que na juventude que e a reflexão sobre a vida e a gente vê que a música tem apresentado sinais de que os jovens já estão cansando de fugir das reflexões. Eles estão querendo refletir.”, explicou.

Arantes elogiou alguns da nova safra de artistas, como o duo Anavitória e  a cantora Ana Vilela: “Anavitoria é uma dupla que explora uma delicadeza, um lado mais puro, mais inocente. Um sucesso estrondoso! Ana Vilela,  que é popular, conseguiu cravar um negócio altamente reflexivo sobre a vida. Então são sinais de que nada está perdido”

Durante a live, Guilherme Arantes apresentou cinco canções de seu mais recente trabalho:  Semente da Maré, Arvore da Inocencia, Jardim do Eden, Flores & Cores e Chama De Um Grande Amor.

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e é membro do Grammy Latino.