in

A inovação e criatividade na era do consumo digital

A inovação e criatividade na era do consumo digital
Foto: Divulgação | Casa Filtr | Sony Music

Por André Luiz diretor de tecnologia e inovação e Luciana Almeida, líder da estratégia de playlist, ambos da Sony Music Brasil

Com exclusividade para o TMJ

Não só o varejo, mas praticamente todos os negócios enfrentaram, e ainda enfrentam, desafios no mercado de consumo na era digital. Este, inclusive, passa por tantas alterações rápidas, que também é estudado por diversos especialistas e universidades ao redor do mundo. O mesmo ocorreu com a música.

A inovação e criatividade na era do consumo digital
Foto: Divulgação | Casa Filtr | Sony Music

Basta pensar num passado não tão distante, quando todos consumíamos música por meio de LP’s, depois CD’s, depois em tocadores de MP3 e assim por diante, até chegar ao momento atual: música pela internet, que pode ser ouvida pelo computador, celular, televisores e tablets, em plataformas de streaming – que, aliás, não param de se multiplicar.

Pesquisas recentes da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) apontam que o mercado fonográfico no Brasil teve alta de 24,5% no ano de 2020. Já o crescimento geral do streaming musical foi de 37,1%, e os serviços pagos de música online tiveram um aumento de 28,3%.

Atualmente, vivemos a indústria 4.0, em que a internet e a conectividade se consolidam cada vez mais na era móvel e digital, com o país na porta de entrada do 5G, que promete outra revolução na forma como consumimos entretenimento digital. Trata-se de um contexto histórico, fruto de diversas transformações, que usam até algoritmos, inteligência artificial e machine learning para oferecer o tipo de música que mais se encaixe no perfil do ouvinte – e até o humor com que ele se encontra no dia. E toda essa evolução, tecnologia e inovação afetam fortemente os recursos de gestão e até os modelos de negócios.

 

 

É necessário entregar cada vez mais conteúdo de qualidade. Para tanto, é preciso entender os próprios artistas e seus fãs, com o objetivo de conectá-los de formas inovadoras. Além de gerar conexão, tanto para o consumo quanto para o engajamento.

 

 

 

Nesse contexto, o grande desafio para os negócios passa a ser entregar valor para uma demanda latente, existente ou crescente em um cenário de mudanças constantes, que não apenas gera muitas incertezas, mas também obriga os negócios a se reinventarem. No caso da Sony Music, que está presente em mais de 40 países e acolhe inúmeros artistas, essa percepção e mudança de chave ocorreu já faz alguns anos, pois a inovação e a tecnologia estão no DNA da companhia. A Sony foi pioneira, quando o movimento de digitalização começou e, já em 2015, passou a atuar com foco total no ambiente digital.

O acesso à música se democratizou com o crescente acesso à internet e à informação, gerando aumento de competição no setor. É necessário entregar cada vez mais conteúdo de qualidade. Para tanto, é preciso entender os próprios artistas e seus fãs, com o objetivo de conectá-los de formas inovadoras. Além de gerar conexão, tanto para o consumo quanto para o engajamento.

O objetivo de todo o trabalho é fazer música, claro, mas também fazer com que essa música chegue ao maior número de pessoas possível, amplie a comunidade de fãs, promova colaborações entre artistas, e até ir além, com a colaboração entre artistas e seus fãs.

A inovação e criatividade na era do consumo digital
O evento Hackathon que foi 100% online | Sony Music

Com a pandemia, o mercado da música também foi muito impactado, por causa da ausência dos shows, o que nos obrigou a inovar mais uma vez, para que não se perdesse o contato do ídolo com o fã, incluindo lançamento de shows online, desenvolvimento e promoção de livese conteúdos exclusivos, além de ações para promover interações e engajamento entre as partes – antes e depois dos lançamentos.

Entende-se que não basta apenas disponibilizar o conteúdo nas plataformas, mas também é preciso se ajustar às tendências do mercado, adaptando-se ao novo momento, que mudou as regras do entretenimento para sempre. Ou seja, o mercado da música precisou se adequar novamente, para criar experiências e atrair cada vez mais engajamento do público, em vez de perdê-lo.

Com tudo isso, é possível perceber que o consumo de música digital ultrapassou apenas a barreira do streaming. O que virá a seguir? Já estou ansioso para descobrir!

*Falo sobre esse mesmo tema em palestra recente para a Campus Party Digital Edition 2021.

Assista à palestra completa aqui:

Matéria produzida por The Music Journal Brazil

Léo Norbim mostra processo criativo de seu novo EP "Inverno"

Léo Norbim mostra processo criativo de seu novo EP “Inverno”

Deolane, viúva de MC Kevin, se muda para condomínio de Simone

Deolane, viúva de MC Kevin, se muda para condomínio de Simone