ENTREVISTAS

Entrevista exclusiva com Calum Scott: “Foi uma honra cantar no Brasil”

By  | 

O cantor e compositor britânico Calum Scott concedeu uma entrevista exclusiva ao The Music Journal Brazil para falar sobre a sua carreira, suas influências musicais diretas e seu carinho pelo Brasil e sobre sua alegria em gravar uma música com Ivete Sangalo, momento que ele classificou como “uma honra absoluta”.




Scott chamou a atenção do mercado musical quando lançou uma nova versão para Dancing On My Own, sucesso de Robyn. O single alcançou a segunda posição no Reino Unido e se tornou a música mais vendida na região em 2015.

Confira:

Marcelo de Assis: Calum, o que mudou em seu trabalho, em termos de musicalidade ou mesmo maturação, a partir da experiência do Britain’s Got Talent em 2015?

Calum Scott: Tudo! Eu tinha uma vida muito normal com um dia de trabalho muito normal e em um momento a trajetória da minha vida mudou completamente! O Britain’s Got Talent foi um trampolim e uma plataforma onde eu poderia ser visto e descoberto por pessoas de todo o mundo – que me deram a base de fãs mais incrível que realmente acreditou em mim e na minha música, e eles queriam mais! Essa crença em mim acelerou minha habilidade artística e musical além do que eu pensava que era capaz. Antes do show, eu tinha uma experiência muito limitada de composição de músicas, mas agora estou de pé com meu álbum de estreia, onde posso dizer com orgulho que estive envolvido na composição de todas as músicas. Definitivamente amadureci desde a minha experiência no programa, mas permaneço humilde e agradecido como sempre.

Marcelo de Assis: Como está o seu processo de composição? Como você consegue inspiração para compor suas músicas?

Calum Scott: Isto é como o dilema da galinha ou do ovo. O processo muda o tempo todo. Às vezes eu escuto alguém tocar piano e só sinto a música e a inspiração vai se apresentar, às vezes há um groove que você adora e você explora essa ideia, mas geralmente para mim, ela começa com o conceito e simplesmente vive a sua a vida é a melhor inspiração para um ótimo conceito. Na maioria das vezes que escrevi meu primeiro álbum, o processo se tornou uma terapia para mim, então escrevi do meu coração e das minhas experiências de vida. Os altos e baixos, especialmente os baixos, porque a emoção era tão crua e poderosa de se tocar. Para mim, escrever histórias reais é relatável e isso é o mais importante para mim como compositor.

 

 

“Eu sabia que não havia nada mais relacionável do que escrever sobre o que todos nós passamos emocionalmente na vida”

 

 

Marcelo de Assis: Você lançou recentemente o single You Are The Reason, que apresenta Leona Lewis em colaboração. Como essa parceria surgiu e como foi trabalhar em conjunto musicalmente?

Calum Scott: Nós fomos apresentados um ao outro pela lendária compositora Diane Warren. Nós dois trabalhamos com Diane em nossos projetos solo e um dia recebi um e-mail como “Calum !! Eu trabalhei com Leona em uma música e seria perfeito como um dueto, suas vozes seriam lindas juntas, entrem em contato com ela e façam isso acontecer! ”… e literalmente aconteceu assim! Nós começamos a enviar e-mail, ela me enviou alguns de seus trabalhos, eu enviei alguns dos meus e Leona realmente levou para You Are The Reason. Ela perguntou se poderia entrar no estúdio e ver o que ela poderia trazer para a música. Como uma grande fã dela, eu já sabia o quão incrível ela era, mas ouvir sua voz em uma música que eu tinha escrito, foi completamente avassalador! Eu mostrei para minha mãe e nós dois choramos! Tendo agora trabalhado com Leona, posso dizer com segurança que ela é uma das minhas pessoas favoritas .. Eu sinto que fomos separados no nascimento! Ela é tão engraçada e tão talentosa e é um privilégio chamá-la de amiga.

Marcelo de Assis: Aliás, você trabalhou neste single, assim como o novo álbum, com o produtor veterano Fraser T. Smith, que já realizou várias produções com outros grandes artistas. Como foi sua visão de produção em seu trabalho hoje?

Calum Scott: A coisa mais bonita sobre trabalhar com um produtor tão prolífico como Fraser é a quantidade de confiança que você pode depositar nele. Obviamente, fui muito cauteloso em relação ao meu primeiro álbum, pois você só tem uma estreia, mas desde o primeiro encontro, Fraser e eu estávamos completamente no mesmo comprimento de onda e tínhamos a mesma visão para o meu álbum. Desde o primeiro dia, Fraser tem sido o produtor e um dos seres humanos mais compreensivos, compreensivos e maravilhosos com quem já tive a oportunidade de trabalhar e ambos estamos muito orgulhosos desse álbum. Eu mal posso esperar para trabalhar com ele novamente!!!

 

 

“Sou muito grato às mídias sociais como uma mudança tecnológica, pois permitiu que minha música viajasse por todo o mundo, para países que talvez nunca teria alcançado”

 

 

 

Marcelo de Assis: Calum, é clara a influência de um Soft Rock ou algo próximo do Blue-Eyed Soul na sua música! Quais são suas referências musicais diretas?

Calum Scott: Eu acho que meu estilo veio da minha mãe! Quando minha irmã e eu éramos mais novos, minha mãe sempre tocava sua música favorita de artistas como Whitney Houston, Diana Ross, Michael Jackson, Queen, Celine Diontodos esses artistas poderosos e emocionais e isso só ressoou em mim! Eu sabia, mesmo antes de começar a cantar, que se eu abrisse minha boca e tocasse, seria esse tipo de estilo que sairia, quase como se tivesse existido por toda a minha vida! Eu pessoalmente ainda amo esses artistas, mas as minhas influências atuais são artistas como Adele, Ed Sheeran, Sam Smith, artistas que, na minha opinião, escrevem e cantam músicas reais.

Marcelo de Assis: Como foi a concepção do álbum Only Human e como foram as sessões de estúdio?

Calum Scott: É engraçado porque quando eu comecei a escrever, eu não tinha o “álbum” como o objetivo, era apenas escrever ótimas músicas, então foi nisso que eu me concentrei nas sessões. Como eu disse, a escrita se tornou uma terapia para mim e as sessões de composição se tornaram viciantes, então estar no estúdio me trouxe muito conforto. O conteúdo das minhas músicas é muito pessoal, mas o fio comum entre todas as músicas era ser humano e as emoções que vêm com isso – eu sabia que não havia nada mais relacionável do que escrever sobre o que todos nós passamos emocionalmente na vida.

Marcelo de Assis: Como você analisa o mercado da música com tantas mudanças tecnológicas na última década e como isso pode contribuir para a construção da carreira dos artistas hoje em dia?

Calum Scott: Pergunta interessante! O mercado da música é muito diferente agora, o que apresenta oportunidades e desafios. Sou muito grato às mídias sociais como uma mudança tecnológica, pois permitiu que minha música viajasse por todo o mundo, para países que talvez nunca teria alcançado sem o poder de “compartilhar” em plataformas de mídia social. É assim que a música está sendo descoberta hoje em dia e, com os home studios agora acessíveis, significa que sua música pode ser criada e disponibilizada em seu próprio quarto! Eu sempre quis ser um artista de álbum e sempre amei a ideia de ter minha música ouvida em vinil e, por sorte, eu consegui isso. Mas você também tem que se mexer com os tempos e com a tecnologia, isso todos nós fazemos.

Marcelo de Assis: E quando você retornará ao Brasil para se apresentar?

Calum Scott: O Brasil e os brasileiros têm um lugar especial no meu coração! Fui convidado para ir ao Rio de Janeiro em 2016 para se apresentar na cerimônia de encerramento das Paraolimpíadas e para gravar e tocar uma música com a incrível Ivete Sangalo! Foi uma honra absoluta e é uma experiência que nunca vou esquecer! Eu estava morrendo de vontade de voltar para o Brasil desde então e estou planejando para o final do ano, então fique de olho! Seja este ano ou no próximo, eu voltarei!

E para terminar, só queria dizer aos seus leitores, Marcelo, um grande “muito obrigado” por todo o apoio e amor e espero ver todos vocês em breve! Amo vocês! 

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e foi membro do Grammy Latino.