Connect with us
Entrevista com Rodrigo Ratto da Ditto Music: "Transparência e simplicidade funcionam no mercado" Entrevista com Rodrigo Ratto da Ditto Music: "Transparência e simplicidade funcionam no mercado"

ENTREVISTAS

Entrevista com Rodrigo Ratto da Ditto Music: “Transparência e simplicidade funcionam no mercado”

Divulgação | Ditto Music

Published

on

Rodrigo Ratto é o homem a frente do escritório da Ditto Music no Brasil, uma das empresas mais inovadoras do mercado musical e que tem em seu portfólio, pilares globais da indústria como Ed Sheeran, Sam Smith, Stormzy e Chance The Rapper. Com vasta experiência no mercado fonográfico brasileiro, Ratto possui uma trajetória de sucesso na área comercial, principalmente pelo seu trabalho na Universal Music, onde foi diretor de vendas da major.

Nesta entrevista exclusiva ao TMJ, Rodrigo Ratto fala sobre seu trabalho na Ditto e os rumos que os artistas independentes devem seguir para alcançar o tão almejado sucesso e, também, sobre sua atual visão do mercado fonográfico, deixando a dica que, para que os objetivos na indústria sejam alcançados, é necessário “o foco no atendimento e o desenvolvimento de uma equipe que fala a linguagem do mercado”.

Confira a entrevista:

Foto: Divulgação | Ditto Music

Foto: Divulgação | Ditto Music

Marcelo de Assis: Como foi o ano de 2019 para a Ditto?

Rodrigo Ratto: O ano passado foi muito bom. Completamos agora em abril o nosso terceiro ano de operação no Brasil. A Ditto hoje está presente em vinte países, com vinte e três escritórios, tendo como base os escritórios de Londres e Liverpool. Aqui no Brasil temos uma equipe completa e no ano passado tivemos uma das melhores performances em número de streamings e a mais alta taxa de sucesso de participação em playlists editoriais, comparado as outras operações.

Marcelo de Assis: Mas para a sustentabilidade da empresa foi positivo …

Rodrigo Ratto: Sim foi positivo e nós temos uma coisa curiosa: o Brasil é o único país de língua portuguesa em toda a operação e seguimos praticamente sozinhos. Temos uma presença latina em mais de 10 países, com escritórios na Espanha, México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru entre outros que se ajudam mutuamente, além dos artistas Anglo que podem ser distribuídos em diversos países como EUA, Inglaterra, Canadá, África do Sul, Europa e Austrália, por isso foi muito bacana saber desse resultado, ficamos muito felizes. A nossa taxa de sucesso em termos de entrada em playlists editoriais, foi a maior comparada a todos os escritórios da Ditto no mundo. Também considero que o nosso atendimento é um diferencial, sendo mais humanizado. A forma como atendemos os artistas e selos, como fazemos o planejamento e estratégia de lançamentos, o envolvimento de toda a equipe no projeto. Sempre atendemos todos os clientes, o primeiro contato, normalmente é realizado por mim e depois passa por cada membro da equipe.

Marcelo de Assis: Ainda mais com um produto digital onde tudo hoje é na base do “self”, o que não há nada de mal nisso, mas com toda essa universalização digital, ainda se observa a necessidade de um trabalho humanizado. Com base nos números que você me apresentou, vocês tiveram um ano que pode se considerar de um crescimento exponencial bem interessante, mas o que realmente impulsionou todo esse crescimento? E quais são os artistas que colaboraram para este impulsionamento da empresa?

Rodrigo Ratto: Quando a Ditto abriu no Brasil, eu estava sozinho, tinha apenas dois artistas para distribuir. Havia trabalhado em uma multinacional durante 12 anos e tive que começar isso do zero, e aos poucos, fomos penetrando no segmento indie rock com artistas que não estavam sendo bem atendidos pelas outras distribuidoras e que passaram a migrar para a Ditto, com isso, começou a funcionar o “boca-a-boca”, foi quando começamos a assinar mais artistas e surgindo cada vez mais oportunidades, e foi neste segundo estágio que começamos a entrar em outros segmentos com o de MPB, Trap, EDM, Samba e que surgiu uma abertura para artistas da nova safra de MPB como Clara Valverde, Mariana Nolasco, Scatolove, Clarice Falcão, Lourena, Amanda Magalhães, Bemti e Ana Cañasque está desde o começo com a gente. Estruturamos melhor a empresa e começou a surgir uma maior procura pelos nossos serviços. Participamos da SIM, de algumas conferências e convenções do mercado e em dezembro do ano passado fizemos a nossa própria convenção, a DITTO X onde criamos painéis bem interessantes com empresários e artistas, além de showcases. Então, tudo isso foi o resultado de um trabalho com foco no atendimento, desenvolvimento de uma equipe que fala a linguagem do mercado e as coisas foram acontecendo. Estamos tendo um número maior de lançamentos nessas últimas semanas, principalmente. Dentro de toda essa situação que estamos passando, os artistas estão produzindo mais. Não houve queda nos lançamentos, aliás, houve aumento.

Marcelo de Assis: Talvez em decorrência da quarentena …

Rodrigo Ratto: Eu acho que é isso também. Esse é um ponto importante, porém difícil de lidar. O setor de show business está muito complicado, todos os artistas estão sofrendo com isso. Então, essa linha de negócios, zerou. Sem receita o artista tem que produzir. As majors seguraram os principais lançamentos e isso abriu mais espaço para os independentes. As plataformas estão precisando de conteúdo novo e o que falo para os artistas é que produzam e distribuam mais produtos. Com esse problema da pandemia, as pessoas ficaram recolhidas em casa, então, é natural que algumas linhas de receitas referentes ao streaming caíram, como aquele momento em que você estava no trânsito entre o deslocamento casa-trabalho-trabalho-casa em que você consumia música, não está mais acontecendo. Quando você ia na academia e levava seu smartphone para ouvir música, também não rola mais, além disso o seu espaço também teve de ser dividido com os outros membros da família, que querem assistir ao Netflix, a Amazon, a Disney+, etc. Enfim, apesar de uma pequena queda no consumo musical de streaming, existe uma demanda muito grande para novidades. Você pode consumir catálogos ou criar playlists, mas você quer ter lançamentos. Tivemos poucos casos de artistas que adiaram lançamentos por causa do momento, mas sempre incentivamos que os lançamentos aconteçam agora, aproveitar o momento de consumo, porque essa pandemia não tem previsão de término.

Entrevista com Rodrigo Ratto da Ditto Music: "Transparência e simplicidade funcionam no mercado"

Foto: Divulgação | Ditto Music

Marcelo de Assis: Você trabalhou em uma grande gravadora durante muito tempo e conheceu bem todo aquele ecossistema que elas tem de lançamentos, promoções de carreira e de marketing. Como foi implementar essa experiência ao abrir uma filial da Ditto, que nasceu para um mercado completamente digital?

Rodrigo Ratto: Essa é uma pergunta legal de responder. Completei recentemente 25 anos no mercado de música, comecei no varejo, trabalhei na Saraiva como comprador, depois trabalhei no WalMart como diretor de entretenimento e depois fui para a indústria quando fiquei 12 anos na Universal Music, sendo gerente regional, diretor, vice-presidente comercial e participei de muitos acontecimentos, como a mudança entre o físico e o digital, participei dessa virada, diminuindo a produção física drasticamente. Saímos das produções nas fábricas de Manaus, migramos para São Paulo enquanto que surgiu o iTunes, depois vieram os streamings com o Rdioo primeiro -, depois o Spotify e a tendência que era 80% físico e 20% digital, se inverteu completamente. Toda essa experiência foi muito rica e marcante e depois me tornar um distribuidor digital independente, foi um grande desafio. Não digo que no começo foi fácil, mas hoje eu sinto muito orgulho do que foi feito. Foi interessante começar esta nova etapa, mas ao mesmo tempo, tive que me reinventar …

Marcelo de Assis: Foi uma reengenharia …

Rodrigo Ratto: Foi uma reengenharia, uma reinvenção e o tempo foi passando. Os relacionamentos que criei me ajudaram muito e foi um dos motivos de ter assumido essa posição, do pessoal da Ditto ter me procurado. Na época das majors, não tínhamos noção do tamanho do mercado independente no Brasil, você vivia num mundo fechado e não tinha a mínima ideia qual era o tamanho e como funcionava. Quando entrei nele, eu me assustei. Fiquei totalmente impressionado com o universo do mercado independente, coisa que dentro das gravadoras ninguém imaginava que exista. Por outro lado, a concorrência é enorme, atualmente, o mercado local possui em torno de 10 distribuidores digitais, fora as grandes gravadoras.

 

 

“Primeira coisa é ter talento e um bom produto. Todos os dias nascem artistas e você sabe como é fácil produzir musica hoje em dia, em seu quarto, em seu home estúdio. Se ele acreditar no seu trabalho, ter perseverança e foco, as oportunidades surgem”

 

 

 

Marcelo de Assis: Isso não se deve pelo fato de que as majors sempre se interessaram no mercado mainstream e não tinham olhos para esse nicho de artistas independentes? Era assim?

Rodrigo Ratto: Era um pouco isso, além da falta de conhecimento e desinteresse. O mercado gospel, por exemplo, era um mercado enorme, que todos tentavam entrar, mas era extremamente fechado e você tinha que ser do meio, tinha que ter a linguagem. . As gravadoras tentaram algumas vezes entrar, mas não com tanto sucesso, inclusive tiveram que montar um departamento exclusivo para o segmento. Quando entrei no mercado independente , eu percebi que é um mercado totalmente competitivo e que cada vez agrega mais artistas das majors…Por que? O que a gravadora dá para o artista hoje? A chancela de uma marca e a mesma receita de bolo para todos ou ainda ter direito a um percentual de todas as receitas ativas e passivas do artista e não ter comprometimento de quanto investirá no marketing e desenvolvimento dele. Então, o que vem acontecendo nos últimos anos é a saída dos artistas das gravadoras para as distribuidoras independentes, o que acaba sendo interessante e lucrativo para eles, recebendo 70% a 80% dos seus royalties de vendas ao invés do formato tradicional das gravadoras, que paga menos e não garante o quanto investirá em sua carreira. Então, a mudança veio para os artistas também.

Marcelo de Assis: No dia-a-dia, em análise de mercado, uma distribuidora independente visualiza essa “guerra” de mercado com as gravadoras ou não se tem esse tipo de preocupação?

Rodrigo Ratto: Há sim uma competição. Nós que estamos ainda em início de operação, distribuímos alguns artistas que foram de majors, mas que estão saindo delas por conta própria, porque não estão mais satisfeitos com o trabalho ou não são mais interessantes para as gravadoras. Já aconteceu de alguns artistas, que encerraram seus contratos com gravadoras virem nos procurar para cuidar de sua distribuição digital É só ver os charts de streamings, onde normalmente 40% das posições, ou em alguns casos até mais, vem sendo ocupados por artistas independentes.

Marcelo de Assis: Então, isso nos leva a compreensão de que as gravadoras estão enxergando uma mudança de trabalho para se equiparar ao trabalho das empresa independentes?

Rodrigo Ratto: Claro que sim, eles estão se baseando nisso. Eles estão ficando mais enxutos, não precisam mais de toda aquela estrutura e ao mesmo tempo tem que ser mais competitivos e atraentes para os artistas melhorando, claro, os percentuais de ganho. Estão abrindo mão da divisão de royalties dependendo do comprometimento ou não de marketing.

Marcelo de Assis: A apresentação do site da Ditto conta com imagens de artistas famosos. Por ser uma empresa que trabalha com produtos independentes, por que outros artistas que não são tão famosos, não aparecem no rosto do site?

Rodrigo Ratto: Normalmente tentamos dar essa oportunidade para todos. Hoje acredito que tenhamos por volta de 2.000 artistas utilizando a nossa plataforma de autoatendimento e pode ser que dali saia um grande artista que possa ter a sua imagem destacada no site. O Ed Sheeran e o Sam Smith, por exemplo, tiveram os seus primeiros trabalhos distribuídos pela Ditto, o Chance The Rapper também distribui com a gente. O site é muito importante para os artistas em começo de carreira que procuram uma oportunidade de distribuição e o serviço de autoatendimento é feito para isso, tentamos deixa-lo da maneira mais didática e intuitiva possível.

Marcelo de Assis: Ratto, o que é ter um artista independente e transformá-lo em sucesso? Como é que ele chega lá?

Rodrigo Ratto: Primeira coisa é ter talento e um bom produto. Todos os dias nascem artistas e você sabe como é fácil produzir musica hoje em dia, em seu quarto, em seu home estúdio. Se ele acreditar no seu trabalho, ter perseverança e foco, as oportunidades surgem. Claro que tem que ter um investimento em sua carreira, tem que estar muito bem atualizado, inserido nas redes sociais e talvez um selo possa dar um suporte maior em sua carreira. Se estiver sozinho e for 100% independente é preciso contar com os amigos e parceiros para ajudar neste início de carreira.

Marcelo de Assis: Como é o seu relacionamento com o Lee Parson e como ele enxerga o crescimento da Ditto ao longo dos anos?

Rodrigo Ratto: O Lee e o seu irmão eram músicos e assinaram com uma grande gravadora, mas o trabalho deles ficou parado por três anos e nunca foram lançados, ou seja, ficaram na famosa “geladeira”. Frustrados com a situação criaram uma distribuidora independente. Mudaram de Birmingham para Liverpool e aí tiveram o primeiro sucesso de um artista independente que alcançou o TOP 40 no Reino Unido, coisa inédita até aquele momento e que rendeu até um registro no livro de recordes do Guinness pelo feito. O Lee tem uma visão diferente: ele acha que o mercado de distribuição nos dias de hoje é praticamente um mercado de commodities e tem criado muitas oportunidades e frentes de trabalho para a Ditto, como o sistema de blockchain, as lojas Ditto Coffee, o gerenciamento de artistas e a abertura de novos escritórios ao redor do mundo . Ele é um cara que cria muitas coisas, não para nunca. Ele ama o nosso país, já esteve aqui várias vezes e nos dá uma liberdade de trabalho tremenda.

Marcelo de Assis: É uma liberdade corporativa que mais parece uma liberdade artística …

Rodrigo Ratto: Sim, total. Dependendo do momento atuamos com A&R também, quando temos interesse em assinar com um artista ou selo, apresento e divido com a equipe, fazemos a parte de curadoria, estratégia e cronograma do lançamento juntos. Quando você acerta uma vez e outra, o artista confia e fala bem de você. Então isso é bem legal, e assim que o mercado independente tem que ser, totalmente transparente e ter é uma linguagem direta: você não precisa passar pelo presidente, que vai para o A&R, que vai para o marketing e depois para as vendas…. Essa transparência e simplicidade é o que tem funcionado no mercado.

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e foi membro do Grammy Latino.

Continue Reading
Advertisement

As Mais Lidas