Connect with us
Entrevista com Sérgio Affonso, presidente da Warner: "O digital democratizou a música" Entrevista com Sérgio Affonso, presidente da Warner: "O digital democratizou a música"

ENTREVISTAS

Entrevista com Sérgio Affonso, presidente da Warner: “O digital democratizou a música”

Divulgação

Published

on

Ele está a frente da empresa que conta com um cast que está na vanguarda do pop atual como Anitta, Ludmilla e IZA. Sérgio Affonso, presidente da Warner Music Brasil iniciou sua bem sucedida carreira na indústria musical ainda nos anos 1980 na saudosa EMI-Odeon. Também passou rapidamente pela gravadora Copacabana, entrando para a equipe da WEA na mesma década, onde foi diretor de marketing internacional.

Com excelentes resultados na companhia pavimentou o caminho para que Affonso fosse nomeado presidente da filial mexicana em 2001, por onde permaneceu durante um período de seis anos. Já em 2006, ele retorna ao Brasil para assumir a presidência da Warner Music, onde segue no posto até hoje.

Com grande experiência no mercado musical dos anos 1980 e no novo mercado, onde as gravadoras trabalham em sistema 360º e proficiente na era digital da música, Sergio Affonso concedeu uma entrevista exclusiva ao TMJ para falar sobre a fase atual da Warner, os artistas que formam seu quadro e sobre os valores do funk e do pop brasileiro, deixando claro que não há uma preferência musical predileta: “Eu quero trabalhar com boa música”.

Confira:

Entrevista com Sérgio Affonso, presidente da Warner: "O digital democratizou a música"

Marcelo de Assis: Como foi o ano de 2019 para a Warner Music Brasil?

Sérgio Affonso: O ano de 2019 foi muito bom para a gente. Conseguimos alguns resultados até de certa forma imprevisíveis, para uma companhia como a Warner ter a música sertaneja mais tocada no Brasil quando eu tenho apenas três artistas sertanejos na companhia: Paula Mattos, Day & Lara e João Gustavo & Murilo. Então, foi um ano muito bom para a gente, terminamos o ano muito bem em posicionamento de charts e os artistas novos como foi o caso da Giulia Be, do PK, da consolidação da carreira da Pocah, isso sem falar de Anitta, IZA, Ludmilla, Ferrugem que são os grandes nomes, mas foi um ano muito bom para nós.

Marcelo de Assis: Eu vejo que a Warner, já a alguns anos, aposta bastante na música pop. Isso é notável no mercado. Será esse o caminho a ser seguido pela companhia nos próximos anos ou haverá a possibilidade de se abrir um espaço maior para outros gêneros?

Sérgio Affonso: Olha Marcelo, nunca houve da minha parte, uma concentração em apenas um gênero musical. Na verdade, existe um dado que é importante se destacar, que quando começamos a trabalhar com o funk, acredito que fomos a gravadora das majors que mais investiu no gênero, o funk não era considerado pop, pelo contrário, era meio maldito até. E aí o funk foi crescendo tanto que virou pop. Eu não tenho uma preferência por um segmento musical. Houve essa coincidência, mas sou uma companhia que tenho outros gêneros musicais como o Papatinho, Miranda, o Suel que é um sambista, o Pedro Sampaio que é um DJ do funk, do pop, estou lançado duas artistas novas agora que são uma preciosidade, dentro de um segmento pop, uma mais pop no sentido da palavra, a outra mais sofisticada, mais adulta que é a Samantha Machado e Elana Dara, que é uma artista incrível. Então eu tenho todos os segmentos dentro da companhia, não tenho nenhuma definição do tipo “só quero trabalhar com esse segmento”. Para mim, eu quero trabalhar com boa música. As vezes, nem sempre é possível, colocamos algumas coisas no mercado que muita gente não curte, mas são expressões autênticas de quem realiza seu trabalho. Mas eu quero trabalhar com música e não tenho um segmento direcionado.

 

 

Eu vejo isso como muito positivo isso, nada que atrapalhe a música e nada que impeça que o funk continue crescendo – Sérgio Affonso, sobre o atual funk brasileiro.

 

 

 

Marcelo de Assis: a Anitta se consolidou no mercado brasileiro e está muito bem no mercado internacional. Qual foi a fórmula para esse trabalho artístico ter uma ascensão, do artista que era do funk e migrou para o pop? Em outras palavras, em que meios a gravadora consegue colaborar para que o artista tenha essa ascensão?

Sérgio Affonso: Ah essa pergunta é complicada! Primeiro de tudo, o que sempre digo, no caso da Anitta, pela obstinação, o foco que ela tem, é um caso que deverá ser estudado, porque, desde a primeira reunião que tive com ela, ela falou tudo o que ela queria e tudo o que ela queria, eu diria que 99% está acontecendo. Uma artista absolutamente focada, trabalha como poucas pessoas eu conheci na vida, então ela tem foco, obstinação, muita força de trabalho e inteligência. A gravadora entrou apoiando, no que era possível, tudo o que a Anitta pleiteava com a gente. Obviamente, nem tudo é possível mas sempre apoiamos ela e sempre tentamos dar o retorno a qual nos propormos: de alavancar a carreira do artista, de ajudar a fazer sucesso, mostrar a música do artista para um número maior de pessoas. E foi o que fizemos desde o começo, todo o suporte financeiro, de equipe, e os resultados têm acontecido. A Anitta realmente merece. A carreira dela está realmente deslanchando lá fora, as coisas estão acontecendo e estamos muito felizes. Agora, nós temos outros artistas que estão em uma performance que temos que reconhecer que são espetaculares como a IZA, o ano passado foi muito da Ludmilla. Não é fácil: diretor de marketing, técnico de futebol e médico, já dizia minha vó, todo mundo quer ser, todo mundo quer saber. Então muitas vezes as ideias se conflitam, há divergências, mas temos conseguido, graças a Deus, ter uma compreensão dos nossos artistas e da equipe com a qual trabalho, tocar para frente e ver os resultados que estamos alcançando.

Entrevista com Sérgio Affonso, presidente da Warner: "O digital democratizou a música"

Marcelo de Assis: O mercado atual não dá para comparar com as décadas de 1980 e 1990 porque mudou muita coisa. O que se percebe hoje é que esses artistas novos que têm uma potencialidade artística muito grande, parece que encontram um caminho mais rápido de se criar uma conexão com artistas estrangeiros. A Ludmilla fez isso, a Anitta também fez isso, a Pocah fez turnê internacional e há muitos anos, esse intercâmbio não era algo tão rápido. Como você analisa essas mudanças?

Sérgio Affonso: Eu participei disso tudo há muitas décadas e realmente a dificuldade era enorme, porque falamos um idioma que parece meio “exótico” e que nem sempre os artistas internacionais conseguem cantar facilmente e não haviam as ferramentas que existem hoje. A ferramenta digital, a internet, os serviços de streaming universalizaram a música. Hoje, uma música tem uma chance maior de chegar lá fora muito mais rápido do que antigamente. Então eu acho que a internet e os serviços digitais democratizaram essa possibilidade. Pode haver um cara, nesse momento, lá no Curdistão, ouvindo uma música da Anitta, da Ludmilla ou do Ferrugem. Eu por exemplo adoro música estranha. Se você olhar minha playlist, só tenho música árabe, música do Marrocos, música indiana, porque eu gosto de descobrir o que está rolando. Então, eu acho que isso deu uma abertura muito grande para música. Mas tem outra coisa: depois da Bossa Nova, nós colocamos uma outra música altamente dançante e contagiante, que é o funk. Muita gente no Brasil, execra, fala mal, tem muita coisa ruim mesmo. Tem coisas que doem no coração, mas é uma música para dançar, não é uma música para filosofar. E isso ajuda muito porque, o público em geral, que consome música hoje no mundo inteiro, é um público muito jovem. Então está interessado em se divertir e eu acho que tudo isso ajudou bastante na abertura para esses artistas. Esses artistas da nova geração, a IZA, Ludmilla e Anitta já vivenciaram isso que estou falando. Eles já nasceram no meio dessa modificação do mercado, dessa abertura digital. Um dos artistas que eu amava muito, com quem trabalhei, o Gonzaguinha (1945-1991), por exemplo, ele nunca teve discussão comigo sobre carreira internacional. Porque era quase impossível. Acontecia uma turnê aqui e ali e era tudo. E hoje não, a Ludmilla, que tem 24, já chegou nesse mercado. Pedro Sampaio, estourou esse problema do coronavírus, no dia seguinte ele já tinha uma música ensinando a lavar as mãos. Eles estão nesse pique que é muito veloz, muito rápido, não dá para acompanhar não.

Marcelo de Assis: Muitas pessoas me questionam o funk a partir de uma herança cultural. Bem sabemos, que o funk, inicialmente, começou nos anos 1960 nos EUA. E certa vez, entrevistei o Caetano Veloso que explicou que essa batida do funk daqui era derivada de um ritmo de Miami, chamado Miami Beat Sound. Apresentar o funk tal qual como ele é hoje, um produto pop, não cria um distanciamento da referência histórica que é o funk norte-americano, de sua construção melódica?

Sérgio Affonso: O funk carioca, de onde tudo começou, tem a ver com esse Miami Beat Sound e foi evoluindo. No meu entendimento, o funk é uma música legítima nossa. Eu trabalhei com muito baile funk no Bangu, no Magnata, enfim, em vários clubes aqui no Rio de Janeiro. Naquela época, eu fazia promoção com o Furacão 2000, o DJ Marlboro, nós víamos que naquela época as pessoas, da forma que começa para mim, como eu vivi, eu presenciei 5 mil pessoas no baile funk, em um sábado à noite, sem ar-condicionado, sem nada, 60 graus naquele lugar, pessoas dançando e fazendo as suas versões com letras em cima de uma música de sucesso internacional. Eles inventavam a letra. A música Bette Davis Eyes da Kim Carnes que ela falava “she’ll unease you” e como as pessoas não sabiam dizer isso, falavam “Seu Anísio” e acabava virando o “Melô do Seu Anisio”. Começou com essa brincadeira, foram aparecendo os MC’s fazendo música nova e foi se transformando, também no funk de São Paulo, Nordeste e outras derivações. Eu vejo isso como muito positivo isso, nada que atrapalhe a música e nada que impeça que o funk continue crescendo.

 

Anitta é um caso que deverá ser estudado, porque, desde a primeira reunião que tive com ela, ela falou tudo o que ela queria e eu diria que 99% está acontecendo.

 

 

 

Marcelo de Assis: Eu acompanho muitos artistas novos que não estão vinculados à uma gravadora, é o sonho de muitos artistas apesar de toda essa democratização que existe na internet, como companhias independentes – essas empresas sempre existiram. Qual o caminho para esses novos artistas, que por vezes muito talentosos, porém anônimos, conseguirem um lugar ao Sol? Mais diretamente: como a Warner enxergaria esses artistas hoje e conseguiria capitaneá-los para a empresa?

Sérgio Affonso: O que o artista tem que fazer, primeiro de tudo, com essa democratização da internet, é fazer um vídeo com o seu próprio smartphone, cantando e subir ele no YouTube ou Instagram e apresentar para as pessoas, porque acaba chegando para a gente. E outra coisa, é buscar o contato com a gravadora mesmo. Eu sou mais do que feliz em receber esse material e procuro ouvir o máximo que posso de tudo.

Marcelo de Assis: Sergio, eu vejo que as outras gravadoras lançaram lojas com seus produtos. A Warner vai entrar nesse mercado?

Sérgio Affonso: Nós temos uma operação muito pequena de material para colecionáveis, mas a gente ainda vê um grande mercado no Brasil para isso. Eu não tenho, nesse momento, nenhum plano de ter uma loja. Estou trabalhando apenas nessa parte do material colecionável, que atende pedidos de fãs.

Eu vejo isso como muito positivo isso, nada que atrapalhe a música e nada que impeça que o funk continue crescendo.

Marcelo de Assis: Nós do TMJ sempre fazemos matérias de produtos que, por vezes, não são comercializados no Brasil e são distribuídos internacionalmente. E quando os artistas internacionais lançam um álbum com vários formatos, não chega por aqui. Não somos um mercado para esses produtos?

Sérgio Affonso: Marcelo, o que você está falando é parcialmente verdade. Nós lançamos digitalmente tudo o que a companhia lança. Hoje, quando sobe uma música nas plataformas, geralmente ele está liberado para o mundo inteiro, a não ser que haja algumas restrições contratuais que determinados artistas têm. Por exemplo, existe uma artista “A” onde tem uma parte do mundo que ela não pode ser incluída. Fora isso, 80% do nosso catálogo está disponível integralmente. Agora, para o formato físico, o mercado praticamente desapareceu e quem define o que será lançado neste formato aqui é a empresa com a qual nós temos um contrato de distribuição, no caso a RIMO, e eles que definem porque o risco de estoque são deles. Agora todos os artistas do catálogo antigo, a própria RIMO importou cerca de 10 mil discos de vinil de artistas de catálogo. O mercado físico diminuiu a níveis muito baixos, mas o digital está todo disponível. Não temos porque não lançá-los. A não ser aqueles que não existem contratos e, mesmo assim, nós estamos entrando em contato com a família para lançá-los.

Marcelo de Assis: Como que a Warner Music está enfrentando essa quarentena do coronavírus?

Sérgio Affonso: Eu trabalho mais de 30 anos na Warner e digo que estou encantado de ver como a companhia está preocupada com isso. Talvez tenhamos sido uma das primeiras gravadoras a entrar em home-office e temos reuniões atrás de reuniões e ninguém falou de faturamento comigo até agora. O que se fala é se as pessoas estão seguras, se estamos conseguindo tocar o barco, como estão os nossos artistas e empregados. A gravadora está jogando muito sério nesse ponto e vai levar tempo, na minha opinião, para superarmos tudo o que está acontecendo. Na minha opinião, tudo isso será superado 100% depois que aparecer uma vacina ou um tratamento eficaz.

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e foi membro do Grammy Latino.

Continue Reading
Advertisement

As Mais Lidas