Joyce Didonato lança "Agrippina", após conquistar o Grammy Awards | The Music Journal Brazil
Connect with us
Joyce Didonato lança "Agrippina", após conquistar o Grammy Awards Joyce Didonato lança "Agrippina", após conquistar o Grammy Awards

CLASSICA

Joyce Didonato lança “Agrippina”, após conquistar o Grammy Awards

Artista conquistou o maior prêmio da música internacional na categoria “Melhor Álbum Vocal Solo Clássico”
por Songlplay de 2019

Divulgação | Warner Music Brasil

Published

on

Poucos dias antes do lançamento de seu novo álbum, Agrippina, domingo à noite na 62ª cerimônia do Grammy Awards, Joyce DiDonato recebeu o prêmio de Melhor Álbum Vocal Solo Clássico, por Songplay, lançado em 2019. O novo trabalho já está disponível em todas as plataformas digitais pela Warner Music via Erato e Parlophone Records.

Joyce Didonato lança "Agrippina", após conquistar o Grammy Awards

Joyce apostou fortemente no papel multifacetado da ópera Agrippina, de Handel. Nas palavras do The Telegraph, ela canta com “autoridade, grandeza e alto estilo”. A ópera foi apresentada em concerto e na casa de ópera com Maxim Emelyanychev, Maestro Chefe do Il Pomo d’Oro. Participa desta gravação um elenco de estrelas estabelecidas e em ascensão que inclui Marie-Nicole Lemieux, Franco Fagioli, Luca Pisaroni e Elsa Benoit. A obra conta também com a participação do contratenor Jakub Józef Orliński.

Joyce Didonato é uma das mais amadas e louvadas cantoras clássicas da atualidade. Uma artista cujo brilho vocal, acuidade interpretativa e poder de comunicação são igualados a um compromisso apaixonado às obras que interpreta no palco.

Além de eletrizar audiências em casas de ópera e concertos, a incansável DiDonato desenvolveu uma relação calorosa com seus fãs através de redes sociais online como o Facebook, YouTube e Twitter, e através de seu blog no seu próprio website.

Joyce Didonato lança "Agrippina", após conquistar o Grammy Awards

A mídia especializada se rende ao talento da cantora. Após a apresentação da ópera Agrippina no Barbican de Londres em maio de 2019 foram muitos os elogios, como o de Richard Fairman do Financial Times que considerou Joyce Didonato como uma “mezzo no auge de seus poderes, e ela dá força ao papel principal nesta versão moderna de Handel”

Confira:

As Mais Lidas