Connect with us
Revelação do jazz, Lucienne Renaudin-Vary lança dois singles de seu novo álbum Revelação do jazz, Lucienne Renaudin-Vary lança dois singles de seu novo álbum

JAZZ SOUL R&B

Revelação do jazz, Lucienne Renaudin-Vary lança dois singles de seu novo álbum

Divulgação

Published

on

A trompetista francesa Lucienne Renaudin-Vary, revelação do jazz, faz uma travessia musical transatlântica no segundo álbum da carreira, Mademoiselle in New York, com lançamento previsto pela Warner Classics para o dia 4 de outubro em todas as plataformas digitais, via Parlophone Records. O projeto é antecipado nesta sexta-feira (23) por duas faixas: Se Tu Vois Ma Mère e Pavane Pour une Infante Défunte de Ravel.

Revelação do jazz, Lucienne Renaudin-Vary lança dois singles de seu novo álbum

Bernstein, Gershwin, Maurice Ravel e Charles Aznavour no repertório

Embora traga mais compositores norte-americanos, liderados por Bernstein e Gershwin, Mademoiselle in New York também chegará com faixas dos franceses Maurice Ravel e Charles Aznavour. No setlist, foram incluídos ainda um número do alemão Kurt Weill e até uma melodia de Dvořak, tcheco responsável pela composição da sinfonia New World e que, posteriormente, se tornou diretor do Conservatório Nacional de Música em Nova York.

O intercâmbio cultural do projeto fica claro em Si Tu Vois Ma Mère. Coração do álbum, a faixa original é de Sidney Bechet. Nascido em 1987, em Nova Orleans (Estados Unidos), o artista passou vários anos em Paris, tendo morrido lá, em 1959, e para sua obra, transpôs todos esses anos na cidade luz. Woody Allen, o arquetípico nova-iorquino, incluiu a faixa no conhecido longa Meia-Noite em Paris, sucesso de 2011.

Si Tu Vois Ma Mère é a sétima faixa do álbum e, juntamente com Pavane Pour une Infante Défunte, podem ser degustadas agora, em todas as plataformas digitais, aquecendo a estreia completa do projeto.

“O trompete é a minha voz”, diz Lucienne Renaudin-Vary, de apenas 20 anos. Ganhadora do prêmio Revelação de 2016 oferecido pela prestigiosa premiação Victoires de La Musique Classique, a artista fez história ao se tornar a primeira trompetista a conquistar vagas simultâneas como estudante de música clássica e jazz no prestigiado Conservatório Nacional de Paris. “Eu me sinto mais em casa quando estou tocando do que se eu tivesse que cantar – ou até mesmo falar. Os trompetistas e os cantores respiram da mesma maneira. Eu passo muito tempo ouvindo os cantores: sou fascinada por sua espontaneidade, expressividade, fraseado e a relação entre música e palavras. E essas coisas realmente inspiram o meu modo de tocar”.

Sobre o álbum de estreia com a Warner Classics, The Voice of the Trumpet, lançado em 2017, a Gramophone disse: “seu tom amanteigado é maravilhoso, aplicando um filtro esfumaçado para alguns dos números mais jazzísticos”.

Confira os singles:

https://open.spotify.com/album/0AlhwVyJXfOZvl243C3Xya

https://open.spotify.com/album/4f0k8fiMoaY9Fwt2ZbR7CN

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e foi membro do Grammy Latino.

As Mais Lidas