in

O formato “álbum” está chegando ao fim?

O formato "álbum" está chegando ao fim?
Foto: Freepik

Estamos inseridos em um momento do mercado musical onde a maioria dos artistas lançam EP´s – aqueles formatos que contam, no máximo, oito músicas e olhá lá -, bem diferente quando eles lançavam um disco completo, com um mínimo de doze músicas.

O formato "álbum" está chegando ao fim?
Foto: Freepik

Com isso, nasce uma dúvida: os álbuns estão morrendo?

De acordo com uma pesquisa realizada pela Deezer no Reino Unido, aproveitando o Dia Nacional do Álbum que passa a ser colaborado por lá, 42%, das 2 mil pessoas adultas entrevistadas na terra da Rainha Elizabeth II, preferem colocar suas músicas favoritas em listas de reprodução. E a maioria da faixa etária, abaixo de 25 anos, tem mais chances de organizar suas músicas em playlists do que ouvir um álbum inteiro.

Outro fato curioso é que o mesmo estudo descobriu que 15% dos apreciadores de música jovens, aqueles que tem menos de 25 anos, nunca ouviram um álbum sequer completo. Em outras palavras: nem uma vez na vida.

Esses entrevistados foram questionados por que seu comportamento em ouvir músicas mudou tanto. A maioria dos entrevistados, de acordo com a Digital Music News, alegaram que é a vida ocupada e falta de tempo para consumir um álbum inteiro. Essas respostas vão de encontro com os dados de pesquisa da Deezer que apontam que no Reino Unido, a média diária para se consumir música é de apenas 17 minutos por dia. Eu disse “apenas”, porque a média mundial é de 26 minutos.

Ainda que o momento se revele obscuro para o formato “álbum”, a pesquisa da plataforma digital mostra que nem tudo está perdido: 82% dos participantes ouviram um álbum inteiro, do início ao fim. As principais ocasiões que permitiram isso, incluem: ouvir um álbum em casa (53%), ouvir um álbum durante uma viagem de carro (32%) ou quando a pessoa faz uma caminhada (14%).

Quando você vai assistir a um show de um artista de sua preferência, você sente vontade de ouvir os álbuns dele? Muita gente sente isso. Tanto que foi observado que 74% dos entrevistados confirmaram que têm mais probabilidade de ouvir um álbum após a apresentação ao vivo de um artista. Já outros 32% admitiram que escutam a obra do artista antes de ir a um show.

Todos esses indicativos foram observados em pesquisa apenas no Reino Unido – o que não deixa de ser relevante, pois é um mercado global importante – mas deve se aplicar em outras regiões do planeta. Se o formato de álbuns está chegando ao seu fim, talvez seja cedo para confirmar. Contudo, a mudança dos hábitos no consumo de música com o advento dos formatos digitais no inicio do século XXI não podem ser ignorados.

Matéria produzida por Marcelo de Assis

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Já realizou reportagens musicais na Record TV para o Domingo Espetacular e Jornal da Record. Foi vencedor do Prêmio TopBlog em 2010 e membro do Grammy Latino.

David Lee Roth: “Acho que o Van Halen acabou”

Sting lançará novo álbum “My Songs: Live” em novembro