in

Playlist: 20 clássicos essenciais do Supertramp 

Playlist: 20 clássicos essenciais do Supertramp
Foto: Reprodução | Last.Fm

Um dos grandes nomes do rock progressivo, a banda britânica Supertramp foi formada em Londres no ano de 1969 por Rick Davies e Roger Hodgson. Com o passar dos anos, a formação do grupo passou por algumas mudanças até atingir seu formato ideal com o baixista Dougie Thomson, o baterista Bob Sienbenberg e o saxofonista John Helliwell – este, concedeu uma entrevista exclusiva ao The Music Journal Brazil em 2011.

Apesar de sofrer uma certa pressão por resultados por parte de sua gravadora, a A&M Records, o Supertramp entrou em uma fase onde produziu grandes álbuns entre 1974 e 1982 com composições assinadas por Davies e Hodgson que se tornaram verdadeiros clássicos do rock, como Dreamer, Crime Of The Century, Rudy, Hide In Your Shell, Ain’t Nobody But Me, Give A Little Bit, From Now On, The Logical Song, Goodbye Stranger, Breakfast In America, Take The Long Way Home, It´s Raining Again e My Kind of Lady.

E que se faça justiça ao considerar as grandes composições de Rick Davies e Roger Hodgson que se tornaram verdadeiras pérolas em seus álbuns, que figuraram como B-sides. São elas: Asylum, If Everyone Was Listening, School, Babaji, Lover Boy, Fool’s Overture, Oh Darling, Gone Hollywood, Just Another Nervous Wreck, Child Of Vision, Lord Is It Mine, Crazy,Put On Your Old Brown Shoes, Bonnie, C’est le Bon e Don’t Leave Me Now.

Saída de Roger Hodgson e liderança de Rick Davies com nova sonoridade

Playlist: 20 clássicos essenciais do Supertramp
Foto: Reprodução | Last.Fm

Depois da saída de Roger Hodgson após um show em Munique, na Alemanha, realizado em 1983, o Supertramp passou a ter a liderança de Rick Davies que teve sempre o blues e jazz norteando sua trajetória musical, evidenciada em algumas das composições clássicas da banda. Com  Brother Where You Bound, de 1985, o primeiro sem Hodgson e que figurou entre os 25 álbuns mais vendidos da Billboard 200 naquele ano, o Supertramp apresentou um disco elogiado pela crítica especializada com uma sonoridade voltada ao rock progressivo, mas a faixa Cannonball parecia avisar sobre as mudanças no grupo.

Certa vez questionei John Helliwell, que me concedeu uma entrevista exclusiva em 2011, se ainda existia alguma possibilidade de Rick Davies e Roger Hodgson se unirem novamente para uma reunião especial do Supertramp com show no Brasil. O icônico saxofonista respondeu: “Eu não acho que uma reunião entre Rick e Roger seria possível porque Roger, talvez, queira muito controle. Rick e a banda gostariam de vir para o Brasil. Talvez em algum momento (….)”.

Em outubro de 1987 essa mudança foi confirmada com o álbum Free As A Bird, onde a faixa-título se tornou o grande sucesso do disco (sendo tema da novela Vale Tudo da Globo no Brasil) repleta de romantismo. Contudo, nas demais faixas do álbum, músicas como I’m Beggin’ You e Not The Moment, essa mudança musical era evidente, mas sempre com o DNA do talentoso compositor e multi-instrumentista Rick Davies, que gravaria mais dois álbuns com o Supertramp: Some Things Never Change (1997) e Slow Motion (2002), até deixar o grupo em 2015, quando realizariam uma turnê de 40 anos da banda, ao ser diagnosticado com um câncer.

No Brasil, uma das coletâneas mais famosas do Supertramp foi The Autobiography of Supertramp, lançada pela PolyGram (atual Universal Music), via A&M Records que foi internacionalmente conhecida como A&M Classics Vol. 9.

Confira a playlist com os 20 clássicos essenciais do Supertramp:

Matéria produzida por Marcelo de Assis

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Já realizou reportagens musicais na Record TV para o Domingo Espetacular e Jornal da Record. Foi vencedor do Prêmio TopBlog em 2010 e membro do Grammy Latino.

The Weeknd cita "bumbum de Anitta" durante show nos EUA

The Weeknd cita “bumbum de Anitta” durante show nos EUA 

Day Limns em entrevista: "Quero ver cada vez mais a coragem das mulheres"

Day Limns em entrevista: “Quero ver cada vez mais a coragem das mulheres”