Connect with us
Pseudo Banda usa humor cítrico no clipe "Não Me Importo (É Carnaval!)  Pseudo Banda usa humor cítrico no clipe "Não Me Importo (É Carnaval!) 

MPB & SAMBA

Pseudo Banda usa humor cítrico no clipe “Não Me Importo (É Carnaval!)” 

Divulgação

Published

on

Faltando poucos dias para começar a maior festa popular brasileira, a Pseudo Banda veste a sua melhor fantasia para entoar o hino de carnaval dos desavisados: “Se não sou eu, eu não me importo. Se não sou eu quem se f*****, eu não me importo!”.

Com ritmo inspirado nas marchinhas de carnaval dos anos 1950, o clipe de Não Me Importo (É Carnaval!) lançado na última quarta-feira (12) investe na sátira como modo de reflexão e crítica da situação sociopolítica brasileira.

Pseudo Banda usa humor cítrico no clipe "Não Me Importo (É Carnaval!)"

“Em uma realidade cheia de distrações, é muito fácil fechar os olhos para o que não nos afeta diretamente. A crítica da música é válida para todos nós, para não nos rendermos ao conformismo e individualismo. Acreditamos que a mudança começa por meio da consciência e da empatia”, diz Julia Rosa, integrante do trio ao lado de Bea Pereira e Vinícius Árabe.

São três personagens criados para o clipe: Capitão Aleluia (Vinícius Árabe), Arlequina Consumista (Julia Rosa) e Agro Miranda Tech (Bea Pereira): A Arlequina Consumista foi inspirada na Commedia Dell Arte, simbolizando o consumismo inconsciente, vaidade exacerbada e a crença na meritocracia. Já a Agro Miranda Tech é a personificação da mídia sensacionalista, que endossa o agronegócio com todos os seus crimes e transforma tudo em espetáculo com muito glitter, dança e distração. Com elementos multicoloridos e não convencionais, a banda explora o lúdico para criar uma cenografia verdadeiramente brasileira e divertida no novo clipe.

O trio, que vive uma jornada de experimentação na música, encontra o cerne de sua arte nesse lançamento, brincando com estilos diferentes e maior liberdade rítmica. A canção conta com instrumentos clássicos do ritmo carnavalesco como cavaco, surdo, chocalho, caixa e repique. O clipe teve roteiro e direção de Karinna de Simone ao lado da Pseudo Banda, direção de arte da Gama Art Studio e figurino/maquiagem de Rafael Santos.

A composição foi inspirada no poema Intertexto, de Bertold Brecht, e propõe, segundo a banda, “uma ligação atemporal com o Brasil atual”. O clipe traz uma releitura mais apimentada a versão original da canção, que está presente no primeiro EP da Pseudo Banda, É Agora, lançado em agosto de 2019.

Composto por seis faixas autorais criadas ao longo dos quatro anos de banda, as temáticas de cada música são diferentes, assim como as sonoridades.

Nas letras, a banda retrata sua visão de mundo e experiências pessoais vividas na juventude urbana.

Assista:

MPB & SAMBA

Coronavírus: Leandro Lehart chegou passar “dias terríveis” em UTI

Published

on

Coronavírus: Leandro Lehart chegou passar "dias terríveis" em UTI
Divulgação

O cantor Leandro Lehart revelou em seu perfil no Instagram que chegou a ficar seis dias internado em uma UTI após ter contraído o coronavírus. Já recuperado, o artista de 48 anos e compositor de sucessos do Art Popular, diz ter vivido “dias terríveis”.

Coronavírus: Leandro Lehart chegou passar "dias terríveis" em UTI

“Eu passei muito mal e aí eu tive uma pneumonia por causa do covid-19. Fiquei seis dias na UTI, passei dias terríveis, mas quero dizer que eu estou novo, e estou muito bem graças a Deus”, escreveu na rede social.

Leandro Lehart também revelou que começou a passar mal após trabalhar no show Samba Cura Live, que aconteceu no dia 21 de março. Desde então, o cantor preferiu não divulgar o problema: “Me silenciei por uma opção. Achei que era mais importante ficar quieto. Hoje estou em casa, estou em alta, feliz e rezando pelos doentes da covid-19”, concluiu.

Assista:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Comunicado aos fãs.

Uma publicação compartilhada por Leandro Lehart (@leandrolehart) em

Continue Reading

MPB & SAMBA

Clarice Falcão revisita sua carreira no EP “Eu Me Lembro”

Apontando para uma nova sonoridade da artista, álbum conta com hits e participação de Letrux

Published

on

Clarice Falcão revisita sua carreira no EP "Eu Me Lembro"
Divulgação

A cantora, compositora e atriz Clarice Falcão revisita, homenageia e recria sua carreira no EP Eu me Lembro. O novo projeto conta com cinco canções de trabalhos anteriores da cantora com a estética eletrônica que marca a turnê atual da artista, inspirada no disco Tem Conserto (2019).

Clarice Falcão revisita sua carreira no EP "Eu Me Lembro"

Trazendo outras cores para favoritas do público, o EP serve como um marco da evolução e amadurecimento de Falcão, está disponível em todas as plataformas digitais pela Ditto e chega junto de um clipe.

“Minha música é muito focada nas letras, que é algo que gosto muito, mas nos últimos anos eu queria que a música acompanhasse o clima. Mudamos bastante e achamos novas camadas para essas canções”, conta Clarice.

Lançado no ano passado, Tem Conserto traz uma artista se abrindo de modo inédito para debater questões profundas e pessoais, como ansiedade e depressão, que a acompanham desde a adolescência. O álbum foi o grande responsável por essa nova direção musical. Integrando essa estética agora a canções de discos anteriores de Falcão, o EP Eu Me Lembro traz a inédita Pra Ter o que Fazer, lançada anteriormente somente no YouTube em 2012 em um formato voz e violão; duas faixas do disco Problema Meu, Irônico e Eu Escolhi Você, além de duas do seu debut Monomania, O Que eu Bebi e Eu Me Lembro, que ressurge em um dueto com Letrux.

“Sou muito fã da Letícia (Novaes) desde o tempo de Letuce. Antes mesmo dela ser a Letrux e do Noite de Climão, a convidei para cantar essa música comigo em um show no Circo Voador e foi mágico. A partir daquele dia, sempre tentei fazer o dueto dessa música com outras mulheres. Aí quando decidimos regravar essa música, que além de ser uma das mais conhecidas e uma das que mais ressoam em mim, não tive dúvidas de convidá-la”, conta Clarice, que na versão original faz um dueto com Silva.

Eu Me Lembro conta com a produção de Lucas de Paiva. A mixagem e masterização são assinadas por Gabriel Guerra.

Confira o clipe:

Continue Reading

MPB & SAMBA

Wesley Nóog lança álbum “O Samba é da Gente” com produção de Paulão 7 Cordas

Published

on

Wesley Nóog lança álbum "O Samba é da Gente" com produção de Paulão 7 Cordas
Divulgação

“O samba nasce para levar a boa nova; quem ouve atento, se renova”. Se você é atento na boa música brasileira, precisa ouvir ou conhecer mais o trabalho de Wesley Nóog, um dos artistas mais completos do samba soul brasileiro. Paulistano radicado no Rio de Janeiro, Nóog lança seu quarto álbum solo, O Samba é da Gente, produzido pelo maestro Paulão 7 Cordas (Zeca Pagodinho), com dez músicas inéditas em parceria com compositores da nova geração.

Wesley Nóog lança álbum "O Samba é da Gente" com produção de Paulão 7 Cordas

Entre os destaques do novo trabalho estão Bate Palma Aí (Rodolfo Caruso e Juarez Amizade), um convite ao mais democráticos dos ritmos, o samba; Luz de Deus (Altair Barbosa e Wagner Nascimento), Casa de Irene (Wesley Nóog, Gabriel Spazziani e Renato Dias) e O Rio se Apresenta (Pakato do Cavaco e Gegê de Itaboraí).

“O Samba desperta alegria e ameniza a dor”, afirma Nóog, que também é o idealizador do projeto Pôr do Samba, com Wesley Nóog & Roda Jardim Suspenso e convidados.

Após encontro e participação na Gloriosa Roda de Samba, em 2019, o maestro Paulão Sete Cordas ouviu Nóog cantar no improviso alguns clássicos e músicas autorais. Logo se interessou em produzir um trabalho do artista e nasceu alí uma nova parceria, consolidada no disco O Samba é da Gente, gravado no estúdio Be Happy (RJ) por Paulo Moraes e masterizado por Paulo Jeveaux no estúdio Nagringa, em Miami. “É um álbum de samba raiz com pés na modernidade e na tradição sambística”, explica o artista.

Wesley assina metade das músicas do álbum: Casa de Irene, Tapete Vermelho, Só por Ela (com Pakato do Cavaco), Chora Cuíca e Silêncio. E abriu espaço para os colegas compositores nas outras cinco faixas que completam o disco: Luz de Deus, Não Vale (Luiz Fernando), Nova Esperança (Nelsinho Pereira), O Rio se Apresenta e Bate Palma Aí.

Wesley Nóog se apresenta no palco do Teatro Rival Refit no dia 22 de julho, acompanhado por uma banda formada por dez integrantes, sob direção musical de Paulão 7 Cordas.

Makley Matos, um dos mais talentosos e queridos sambistas da nova geração, promete dar muito caldo desse encontro.

Continue Reading

As Mais Lidas