Connect with us

A rede de hotéis Ibis inicia junto à Sony Music, um projeto intimista, ao mesmo tempo, rodando globalmente, em hotéis de 17 países, para “transformar a experiência do que os visitantes conhecem por hospitalidade”.

Intitulado Íbis Music, um programa global da marca de hoteis do Grupo Accor, proporcionará experiências de música ao vivo nos hotéis ibis em todo o mundo. Essa foi a missão que ambas as empresas abraçaram para desenvolver projetos únicos, que fizessem sentido para cada região. No Brasil, a vertical de Business Development (BD) da gravadora é a responsável por mostrar uma referência de identidade, que tenha fit com o país.

O cantor Lucas Lucco foi escolhido como embaixador do evento no Brasil e já realizou dois pockets shows.

O programa teve início com um concurso que tem 87 artistas independentes, em 44 shows exclusivos que serão realizados em 17 países. Deste total, sete artistas serão selecionados para uma grande final no Festival Sziget 2019, que será realizado em agosto, na Hungria.

A iniciativa também tem a proposta de estimular novos cantores, abrindo espaço para que se apresentem, além de uma sessão de mentoria com o artista do projeto, com dicas e relatos da sua carreira.

“Novos negócios surgem o tempo todo para a música, a grande questão é saber como aproveitá-los e fazer disso uma oportunidade real para artistas e marcas, no timing certo”, disse Wilson Lannes, vice-presidente da Sony Music Brasil. “Aqui na Sony, em BD, temos um trabalho consistente em duas frentes principais: Live, que atua especificamente na produção de eventos ao vivo, sejam grandes ou pocket shows e Brands, com total foco em desenvolver projetos sob medida para os clientes, com o olhar cuidadoso e profundo entendimento sobre qual é, realmente, a mensagem que uma marca quer passar e como é a melhor forma de fazer isso, atingindo seu público. O ibis Music foi um exemplo de sucesso da junção desses dois pilares – os shows reuniram cerca de 200 pessoas e tiveram seus ingressos esgotados em poucos minutos”, concluiu.

Para o Ibis, a iniciativa vem para reforçar seu compromisso de oferecer uma experiência única e diferenciada para seu público: “Ibis é uma marca pioneira na hotelaria e, desde então, é reconhecida por entregar em suas mais de 1.150 unidades em todo o mundo o conforto de um porto seguro. Temos muito orgulho do que construímos, mas agora vamos além. E essa parceria com a Sony Music demonstra isso, pois, também por meio da música, estamos imergindo a marca em um universo mais flexível, vibrante, aberto e moderno”, finaliza a vice-presidente de Marketing da Accor América do Sul, Roberta Vernaglia.

A área de Business Development da Sony Music Brasil foi criada em 2009 com a missão de desenvolver um novo modelo de negócios para a companhia. A área entrega projetos especiais de ponta a ponta, por meio de uma gama de serviços completos, sob as verticais Brands e Live. Com produtos, como, grandes shows, campanhas publicitárias, licenciamentos, entre outros, o objetivo é, sempre, associar artistas às marcas e ao seu público.

MERCADO

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões

Published

on

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões
Divulgação

De acordo com o Digital Music News, um relatório financeiro revela que o Shazam adicionou 78 milhões de usuários em 2018. Com isso, agora são 478 milhões de usuários ativos anuais para a plataforma de identificação de músicas.

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões

Os resultados financeiros da plataforma em 2018 mostram que a empresa obteve US$ 196,3 milhões de receita com a “alienação de ativos intangíveis”. Este montante se deve à duas frentes de rentabilidade: US$ 194,9 milhões em recursos provenientes da venda de propriedade intelectual, líquidos do custo de alienação no período que finalizou em 31 de dezembro de 2018 e US$ 1,1 milhão se refere ao valor atribuído à força de trabalho do Shazam Media Services, adquirida pela Apple em novembro de 2018

A integração entre o Shazam e a Apple começa a ser celebrada na Apple Music, com a nova opção “adicionar à lista de reprodução”. As músicas identificadas também aparecem em uma nova lista de produção chamada My Shazam Tracks.

Continue Reading

MERCADO

O formato “álbum” está chegando ao fim?

Published

on

O formato "álbum" está chegando ao fim?
Divulgação

Estamos inseridos em um momento do mercado musical onde a maioria dos artistas lançam EP´s – aqueles formatos que contam, no máximo, oito músicas e olhá lá -, bem diferente quando eles lançavam um disco completo, com um mínimo de doze músicas.

Com isso, nasce uma dúvida: os álbuns estão morrendo?

De acordo com uma pesquisa realizada pela Deezer no Reino Unido, aproveitando o Dia Nacional do Álbum que passa a ser colaborado por lá, 42%, das 2 mil pessoas adultas entrevistadas na terra da Rainha Elizabeth II, preferem colocar suas músicas favoritas em listas de reprodução. E a maioria da faixa etária, abaixo de 25 anos, tem mais chances de organizar suas músicas em playlists do que ouvir um álbum inteiro.

O formato "álbum" está chegando ao fim?

Outro fato curioso é que o mesmo estudo descobriu que 15% dos apreciadores de música jovens, aqueles que tem menos de 25 anos, nunca ouviram um álbum sequer completo. Em outras palavras: nem uma vez na vida.

Esses entrevistados foram questionados por que seu comportamento em ouvir músicas mudou tanto. A maioria dos entrevistados, de acordo com a Digital Music News, alegaram que é a vida ocupada e falta de tempo para consumir um álbum inteiro. Essas respostas vão de encontro com os dados de pesquisa da Deezer que apontam que no Reino Unido, a média diária para se consumir música é de apenas 17 minutos por dia. Eu disse “apenas”, porque a média mundial é de 26 minutos.

Ainda que o momento se revele obscuro para o formato “álbum”, a pesquisa da plataforma digital mostra que nem tudo está perdido: 82% dos participantes ouviram um álbum inteiro, do início ao fim. As principais ocasiões que permitiram isso, incluem: ouvir um álbum em casa (53%), ouvir um álbum durante uma viagem de carro (32%) ou quando a pessoa faz uma caminhada (14%).

Quando você vai assistir a um show de um artista de sua preferência, você sente vontade de ouvir os álbuns dele? Muita gente sente isso. Tanto que foi observado que 74% dos entrevistados confirmaram que têm mais probabilidade de ouvir um álbum após a apresentação ao vivo de um artista. Já outros 32% admitiram que escutam a obra do artista antes de ir a um show.

Todos esses indicativos foram observados em pesquisa apenas no Reino Unido – o que não deixa de ser relevante, pois é um mercado global importante – mas deve se aplicar em outras regiões do planeta. Se o formato de álbuns está chegando ao seu fim, talvez seja cedo para confirmar. Contudo, a mudança dos hábitos no consumo de música com o advento dos formatos digitais no inicio do século XXI não podem ser ignorados.

Continue Reading

MERCADO

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica

Published

on

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica
Divulgação

Ouvir um álbum inteiro, do início ao fim, é melhor para combater o stress do que assistir TV ou tirar uma “soneca”, diz uma pesquisa realizada pela Entertainment Retailers Association, uma organização comercial do Reino Unido formada especificamente para atuar como um fórum para os setores físico e digital de varejo e atacado das indústrias de música, vídeo e games. As informações são do jornal The Sun.

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica

A pesquisa revelou que 83% das pessoas entrevistadas, escutam discos de vinil para ajudar a relaxar. Três quartos disseram que tocar LP´s melhora o humor.

“Os fãs de música britânicos estão se automedicando efetivamente com seus álbuns favoritos”, disse Kim Bayley do Entertainment Retailers Association. “A leitura e a audição de álbuns parecem ter benefícios semelhantes e, dadas as preocupações com obesidade, ambas provavelmente são melhores para nós do que comer confortavelmente”, disse.

Para Geoff Taylor da British Phonographic Industry (BPI), os benefícios em ouvir música podem ser ainda maiores quando o assunto é stress: “A música é uma maneira maravilhosa de relaxar, mas seus benefícios podem ser muito mais profundos quando o ouvinte realmente tira um tempo para desacelerar e mergulhar no álbum inteiro, como o compositor pretendia”, disse.

Continue Reading

As Mais Lidas