Connect with us
Streaming representa 80% da receita geral na indústria da música Streaming representa 80% da receita geral na indústria da música

MERCADO

Streaming representa 80% da receita geral na indústria da música

Divulgação

Published

on

Ouvir música por aplicativos como Spotify, Apple Music e Deezer já é algo muito comum em muitos países do mundo. O streaming foi uma aposta da indústria musical depois de vários anos sofrendo déficit em seus relatórios financeiros em decorrência da pirataria de CD´s e distribuição ilegal do formato MP3. Agora, parece que esse ecossistema está se beneficiando desta mudança.

De acordo com um relatório da RIAA (Recording Industry Association of America), as receitas obtidas pelas gravadoras via streaming cresceu 26% no primeiro semestre de 2019, sendo responsável por US$ 4,3 bilhões no total. Com isso, este formato digital representa 80% de toda a receita gerada na indústria, seguido por 9% da receita gerada por downloads digitais, 9% provenientes de midia física (como os CD´s) e 2% de filmes, publicidade e TV.

Além disso, o vinil também contou com a aceleração do mercado musical com um crescimento em suas vendas de 5% em 2019, gerando US$ 224 milhões, enquanto que as vendas de CD´s cresceram 5%, representando US$ 485 milhões, também neste ano.

“A música continua a ser um dos principais impulsionadores da cultura da internet e o engajamento em torno da música e dos artistas gera grande parte da popularidade de muitas plataformas de mídia social e tecnologia”, disse Mitch Glazier, presidente e CEO da RIAA.

Glazier credita o atual crescimento da indústria musical aos meios digitais: “Nas mídias sociais, os músicos estão entre os usuários mais seguidos em todo o mundo. As gravadoras trabalham há anos para criar novas ferramentas, infraestrutura e equipes poderosas para ajudar os artistas a navegar no ecossistema global de streaming e proteger e promover seu trabalho”, concluiu.

De acordo com a Spin, mesmo com todos esses números animadores, os artistas costumam receber apenas frações de centavos por fluxo digital. De acordo com a publicação, as taxas do Spotify ficam entre US$ 0,003 e US$ 0,005 por stream, dependendo da quantidade de ouvintes Premium, enquanto que o YouTube e a Apple Music pagam US$ 0,00074 e US$ 0,0064 por stream, respectivamente.

MERCADO

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões

Published

on

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões
Divulgação

De acordo com o Digital Music News, um relatório financeiro revela que o Shazam adicionou 78 milhões de usuários em 2018. Com isso, agora são 478 milhões de usuários ativos anuais para a plataforma de identificação de músicas.

Shazam: usuários ativos da plataforma totalizam 478 milhões

Os resultados financeiros da plataforma em 2018 mostram que a empresa obteve US$ 196,3 milhões de receita com a “alienação de ativos intangíveis”. Este montante se deve à duas frentes de rentabilidade: US$ 194,9 milhões em recursos provenientes da venda de propriedade intelectual, líquidos do custo de alienação no período que finalizou em 31 de dezembro de 2018 e US$ 1,1 milhão se refere ao valor atribuído à força de trabalho do Shazam Media Services, adquirida pela Apple em novembro de 2018

A integração entre o Shazam e a Apple começa a ser celebrada na Apple Music, com a nova opção “adicionar à lista de reprodução”. As músicas identificadas também aparecem em uma nova lista de produção chamada My Shazam Tracks.

Continue Reading

MERCADO

O formato “álbum” está chegando ao fim?

Published

on

O formato "álbum" está chegando ao fim?
Divulgação

Estamos inseridos em um momento do mercado musical onde a maioria dos artistas lançam EP´s – aqueles formatos que contam, no máximo, oito músicas e olhá lá -, bem diferente quando eles lançavam um disco completo, com um mínimo de doze músicas.

Com isso, nasce uma dúvida: os álbuns estão morrendo?

De acordo com uma pesquisa realizada pela Deezer no Reino Unido, aproveitando o Dia Nacional do Álbum que passa a ser colaborado por lá, 42%, das 2 mil pessoas adultas entrevistadas na terra da Rainha Elizabeth II, preferem colocar suas músicas favoritas em listas de reprodução. E a maioria da faixa etária, abaixo de 25 anos, tem mais chances de organizar suas músicas em playlists do que ouvir um álbum inteiro.

O formato "álbum" está chegando ao fim?

Outro fato curioso é que o mesmo estudo descobriu que 15% dos apreciadores de música jovens, aqueles que tem menos de 25 anos, nunca ouviram um álbum sequer completo. Em outras palavras: nem uma vez na vida.

Esses entrevistados foram questionados por que seu comportamento em ouvir músicas mudou tanto. A maioria dos entrevistados, de acordo com a Digital Music News, alegaram que é a vida ocupada e falta de tempo para consumir um álbum inteiro. Essas respostas vão de encontro com os dados de pesquisa da Deezer que apontam que no Reino Unido, a média diária para se consumir música é de apenas 17 minutos por dia. Eu disse “apenas”, porque a média mundial é de 26 minutos.

Ainda que o momento se revele obscuro para o formato “álbum”, a pesquisa da plataforma digital mostra que nem tudo está perdido: 82% dos participantes ouviram um álbum inteiro, do início ao fim. As principais ocasiões que permitiram isso, incluem: ouvir um álbum em casa (53%), ouvir um álbum durante uma viagem de carro (32%) ou quando a pessoa faz uma caminhada (14%).

Quando você vai assistir a um show de um artista de sua preferência, você sente vontade de ouvir os álbuns dele? Muita gente sente isso. Tanto que foi observado que 74% dos entrevistados confirmaram que têm mais probabilidade de ouvir um álbum após a apresentação ao vivo de um artista. Já outros 32% admitiram que escutam a obra do artista antes de ir a um show.

Todos esses indicativos foram observados em pesquisa apenas no Reino Unido – o que não deixa de ser relevante, pois é um mercado global importante – mas deve se aplicar em outras regiões do planeta. Se o formato de álbuns está chegando ao seu fim, talvez seja cedo para confirmar. Contudo, a mudança dos hábitos no consumo de música com o advento dos formatos digitais no inicio do século XXI não podem ser ignorados.

Continue Reading

MERCADO

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica

Published

on

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica
Divulgação

Ouvir um álbum inteiro, do início ao fim, é melhor para combater o stress do que assistir TV ou tirar uma “soneca”, diz uma pesquisa realizada pela Entertainment Retailers Association, uma organização comercial do Reino Unido formada especificamente para atuar como um fórum para os setores físico e digital de varejo e atacado das indústrias de música, vídeo e games. As informações são do jornal The Sun.

Ouvir um álbum é eficaz para combater o stress, revela pesquisa britânica

A pesquisa revelou que 83% das pessoas entrevistadas, escutam discos de vinil para ajudar a relaxar. Três quartos disseram que tocar LP´s melhora o humor.

“Os fãs de música britânicos estão se automedicando efetivamente com seus álbuns favoritos”, disse Kim Bayley do Entertainment Retailers Association. “A leitura e a audição de álbuns parecem ter benefícios semelhantes e, dadas as preocupações com obesidade, ambas provavelmente são melhores para nós do que comer confortavelmente”, disse.

Para Geoff Taylor da British Phonographic Industry (BPI), os benefícios em ouvir música podem ser ainda maiores quando o assunto é stress: “A música é uma maneira maravilhosa de relaxar, mas seus benefícios podem ser muito mais profundos quando o ouvinte realmente tira um tempo para desacelerar e mergulhar no álbum inteiro, como o compositor pretendia”, disse.

Continue Reading

As Mais Lidas