Connect with us
Tears For Fears: clássico "Songs From The Big Chair" será celebrado no Twitter  Tears For Fears: clássico "Songs From The Big Chair" será celebrado no Twitter 

ROCK

Tears For Fears: clássico “Songs From The Big Chair” será celebrado no Twitter

Divulgação | Site oficial

Published

on

Tim Burgess, vocalista da banda de rock alternativo britânica The Charlatans convocou todos os fãs do Tears For Fears para celebrar os 35 anos do icônico álbum Songs From The Big Chair em sua conta oficial no Twitter.

Tears For Fears: clássico "Songs From The Big Chair" será celebrado no Twitter 

Foto: Divulgação | Site oficial

“Sexta-feira, 4 de dezembro, às 22h (Horário do Reino Unido) @curtsmith @C_M_Hugues & @d_n_bascombe serão nossos anfitriões para um @LISTENING_PARTY apresentando Songs From The Big Chair dos @tearsforfears”, escreveu Burgess em seu perfil oficial no Twitter.

Songs From The Big Chair foi o segundo álbum de estúdio da dupla formada por Curt Smith e Roland Orzabal. Lançado originalmente pela PolyGram, via Mercury Records em 1985, o disco rendeu grandes sucessos que se tornaram clássicos do rock, como Everybody Wants To Rule The World, Shout, Head Over Heels e Mother’s Talk.

Tears For Fears: clássico "Songs From The Big Chair" será celebrado no Twitter 

Foto: Universal Music | Mercury Records

Além disso, o álbum passou 30 semanas entre os 10 mais vendidos do Reino Unido e cinco semanas em primeiro lugar nos EUA. Só na parada Billboard, foram 18 meses marcando presença.

“A música pop ainda era uma indústria em crescimento. Não tinha meio que estagnado, parado, diversificado em streaming como é hoje em dia. Éramos jovens, éramos ambos bonitos e tínhamos a música certa. À medida que avançamos mais e mais nessa década e você continua ouvindo “Everybody Want To Rule The World”, em várias formas, acho que é um álbum que definiu uma era”, analisa Roland Orzabal.

Curt Smith acrescentou: “Você normalmente nunca obteria três músicas tão fortes em um álbum. Mas equilibre isso com faixas como “Listen”, “The Working Hour”; todas aquelas coisas que lhe dão ar e tempo para respirar, eu acho que o tornam algo mais do que apenas a soma de suas partes. Acho que o álbum tinha muito mais profundidade do que muitos outros álbuns da época. E álbuns com mais profundidade tendem a durar mais tempo”.

 

As Mais Lidas