Connect with us

O The Who está prestes a lançar um novo álbum, o primeiro em mais de uma década, além de uma turnê sinfônica em 2019.




A novidade foi revelada através de uma entrevista do guitarrista Pete Townsend à Rolling Stone onde ele disse que só concordou em retornar aos palcos com Roger Daltrey e banda desde que um novo material fosse lançado.

“É puramente pessoal”, explicou Townsend em entrevista. “É sobre o meu orgulho, o meu senso de auto-estima e auto-dignidade como compositor”.

Ainda em entrevista, Pete Townsend disse que já completou 15 demos para o novo projeto, que contará com “baladas obscuras, rock pesado, música eletrônica experimental, samples e clichês de músicas que começaram com um violão”.

“Há pelo menos cinco ou seis (músicas) que eu posso colocar e tenho certeza que elas sairão incríveis”, disse Roger Daltrey. “Mas às vezes eu as ouço e penso: “Eu não posso adicionar nada a isso para fazer o meu trabalho como cantor digno de fazer algo melhor do que Pete já fez”.

A nova turnê sinfônica contará com 30 datas com shows em arenas nos EUA, que deve iniciar em abril.

O The Who realizou seus primeiros shows na América do Sul em São Paulo e no Rio em setembro de 2017.

O novo álbum será o sucessor de Endless Wire lançado em 2006.

É jornalista e pesquisador musical. Cobre shows nacionais e internacionais e já entrevistou bastante gente interessante do Brasil e do mundo. Foi vencedor do Prêmio TopBlog Brasil em 2010 na categoria "Música"e foi membro do Grammy Latino.

ROCK

“O Live Aid arruinou minha vida”, diz Bob Geldof, idealizador do concerto 

Published

on

"O Live Aid arruinou minha vida", diz Bob Geldof, idealizador do concerto 
Dean Chalkley | Divulgação

Bob Geldof pareceu se sentir muito desconfortável e, talvez, até amargurado quando toca no assunto do Live Aid, o lendário festival que aconteceu no dia 13 de julho de 1985, simultaneamente em Londres e na Filadéfia (EUA).

"O Live Aid arruinou minha vida", diz Bob Geldof, idealizador do concerto 

Foto: Dean Chalkley | Divulgação

Em uma recente entrevista à agência Associated Press, Geldof, um icônico músico irlandês de 68 anos que liderou a banda Boomtown Rats nos anos 1970, chegou a dizer que o Live Aid arruinou sua vida.

“Não me foi permitido voltar ao trabalho”, explicou. “Sou cantor pop. É literalmente assim que eu ganho dinheiro. Esse é o meu trabalho. Levanto pela manhã e, se eu estiver de bom humor, vou tentar escrever músicas. Vou tentar
ensaiar”, disse.

Mas o que levou Bob Geldof a mencionar o modo de ganhar o seu pão na entrevista?

Geldof, na época com 33 anos, se uniu ao Midge Ure do Ultravox para realizar um concerto contra a pobreza na África. Então, elaboraram o Live Aid – o nome é uma alusão ao supergrupo Band Aid, que ele também ajudou a formar em 1984 -, um concerto que aconteceria no Wembley Stadium em Londres e no JFK na Filadélfia (EUA).

Ambos os concertos arrecadaram mais de US$ 127 milhões.

Geldof admite que todo esse acontecimento o deixou “perplexo por um tempo”, acrescentando que ele não tinha muito dinheiro na época e que sua imagem vinculada diretamente ao Live Aid afetava inteiramente sua vida particular e, provavelmente, lhe custou o casamento com Paula Yates.

Em tempo: Paula Yates, falecida em 2000, deixou Geldof para iniciar um relacionamento com Michael Hutchence do INXS.

Geldof chegou a ser apelidado na época de Saint Bob (São Bob), pela iniciativa em combater a fome no continente africano.

Chegou a receber o título de Cavaleiro Honorário do Império Britânico (KBE) da Rainha Elizabeth II em 1986 por esse feito.

Mas 35 anos depois, sobrou pouco entusiasmo para ele.

Continue Reading

ROCK

Os Pretenders estão cada vez mais próximos de lançar seu novo álbum

Published

on

Os Pretenders estão cada vez mais próximos de lançar seu novo álbum 
Divulgação | BMG

“Homens nunca saberão a dor que uma mulher passa”, canta Chrissie Hynde, vocalista da lendária banda The Pretenders em uma das faixas do seu inédito Hate for Sale. E ela entende bem disso: há mais de 40 anos, Chrissie desafia convenções e normas ao se impor como mulher e criadora em meios predominantemente masculinos.

Os Pretenders estão cada vez mais próximos de lançar seu novo álbum 

Foto: Divulgação | BMG

Antes de compor clássicos como I’ll Stand By You, Don’t Get Me Wrong, Back on the Chain Gang ou fazer uma ponta na série Friends, Chrissie nasceu e cresceu em uma cidade pequena em Ohio (EUA). Mas seus planos estavam muito longe dali e seu olhar era só para a música.

Buscando outros ares e um novo caminho para seus sonhos, ela se mudou para Londres no início dos anos 1970 onde começou a trabalhar como jornalista na conceituada revista NME como especialista em rock.

Aos poucos, Hynde começou a desenvolver intimidade com a música e com os artistas, formando parcerias e fazendo parte do movimento seminal que originou o punk e o new wave.

Com 13 álbuns de estúdio lançados e diversos clássicos, Chrissie Hynde é parte do Rock’n’Roll Hall of Fame e uma inspiração para diversas gerações de artistas, de diversos gêneros musicais.

Madonna chegou a dizer que ela foi uma das influências no começo de sua carreira: “Me inspirou ver uma mulher com tamanha presença no meio de um monte de homens”, disse a Rainha do Pop em meados dos anos 1990.

A artista – que dedica seu tempo a lutar em prol de causas ambientais e pelos direitos dos animais – tem uma carreira eclética que passou também pelo folk, pop, jazz e até pela música brasileira. Um dos parceiros mais recorrentes de Hynde é o conceituado produtor Moreno Veloso, filho de Caetano.

Chrissie estaria trabalhando com ele, se não fosse a pandemia, e chegou a morar no icônico Copan, em São Paulo, no início dos anos 2000 para criarem juntos.

No dia 17, Hynde abre uma nova página na carreira com o próximo disco do Pretenders, que chega ao Brasil via BMG. Produzido pelo premiado Stephen Street (The Smiths, Blur, The Cranberries e responsável por clássicos da banda), este será também o primeiro álbum com a formação ao vivo do grupo.

Hate For Sale já está disponível em pré-venda em https://pretenders.lnk.to/HateForSalePR.

Continue Reading

ROCK

Phil Collins relança o clássico “One More Night”

Published

on

Phil Collins relança o clássico "One More Night"
Divulgação | Warner Music | Rhino Entertainment

O cantor e compositor britânico Phil Collins relançou neste fim-de-semana, o clássico One More Night, uma das músicas de maior sucesso de sua carreira. A faixa é parte integrante do álbum No Jacket Required, lançado originalmente em 18 de fevereiro de 1985 pela Virgin Records, Atlantic Records e WEA.

Phil Collins relança o clássico "One More Night"

Foto: Divulgação | Warner Music | Rhino Entertainment

One More Night ficou no topo das paradas norte-americanas por duas semanas consecutivas naquele ano, sendo apenas superada por outro clássico: We Are The World, do supergrupo USA for Africa. A canção foi produzida por Phil Collins e Hugh Padgham.

Ouça:

Continue Reading

As Mais Lidas