Connect with us
Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira com o álbum "Pelespírito" Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira com o álbum "Pelespírito"

MPB & SAMBA

Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira com o álbum “Pelespírito”

Projeto marca seu retorno à Universal Music

Denise Andrade

Published

on

A cantora e compositora Zélia Duncan lançou nesta sexta-feira (21), o álbum Pelespírito, trabalho que celebra suas quatro décadas de carreira e seu retorno à Universal Music. O disco dialoga “o necessário distanciamento físico, a (compreensível) dificuldade de inspiração, a triste realidade do atual cenário político-social, as perdas, as inúmeras perdas…”.

Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira com o álbum "Pelespírito"

Foto: Denise Andrade

Pelespírito é fruto de um encontro musical profundo com o poeta e produtor pernambucano Juliano Holanda, ao lado de quem Zélia compôs todas as 15 faixas que figuram no disco.

“Meu novo encontro com o Juliano foi um acaso. Eu compus com várias pessoas durante esse tempo. Parceiros amados e queridos, como Ana Costa, Xande de Pilares, Lucina, Marcos Valle, Ivan Lins… Tem sido incrível, mas, num certo momento, eu e o Juliano nos conectamos de uma maneira muito profunda, porque ele teve uma disponibilidade muito grande para mim e vice-versa. Esse álbum também é um diálogo meu com ele, que mora em Recife. A gente não se viu e começou a compor por WhatsApp e a coisa fluiu de uma maneira absurda”, revela Zélia.

Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira com o álbum "Pelespírito"

Foto: Universal Music

Pelespírito é formado por canções íntimas e confessionais, onde a artista passeia por ritmos como o folk e o country, além do rock, blues, sertanejo nordestino e pantaneiro.

“Esse disco foi todo feito nesse clima de mistério. Claro que a vida é um grande mistério, mas a gente está num momento especialmente enigmático, porque estamos lidando com um vírus”, explica Zélia. “E isso para nós, artistas, nos atingiu na espinha e no coração do nosso ofício, que prevê o encontro. A arte precisa se encontrar com quem vai absorvê-la de alguma forma. No caso da música e da performance, é muito difícil ficar longe de tudo isso”.

O álbum foi gravado entre 2020 e 2021 em vários home studios. Zélia e Webster Santos gravaram em suas respectivas casas, em São Paulo, Juliano Holanda em Pernambuco, Léo Brandão em Curitiba, Christiaan Oyens em Londres e Ézio Filho no Rio de Janeiro.

Ouça:

Advertisement